22 de nov de 2014

Boa noite , mais particulas da Galáxia Pupila.

Ano fluindo bem, horizonte espichado, publicações digitais e impressas escoaram este ano, palestra, bate - papos, oficinas, absorvendo e extraindo, tipo um galho de angico, abaixo um poema , pra leitura, questionamentos, análises, e etc. Luz pra todos, e nunca se esqueça, OCÊ TAMÉM É UM POEMA !
***************************************************************

Partículas da Galáxia Pupila
*
relâmpagos, raios e trovoadas se hospedam no céu da minha boca.
*
aqui dentro de mim
só luminosidades, 
que ate mariposas me rodeiam.
*
dentro do pão sovado não se passa mais manteiga de Minas, 
colocam lâminas de gilete e navalhas.
*
presencio esta situação
tal qual
o quadril de uma zebra
presa no maxilar de uma onça parda.
*
um rinoceronte branco entra pela axila
e vai rugir no castanhos das pupilas

*
ouço um rottweiler apelidado de cidade 
com seu metálico rosnado na rua 
milimetricamente ensaia um bote na minha coxa.
*
ás vezes sinto, através destas situações cotidianas
a
mandíbula de um jacaré do papo amarelo
pressionando o cinza cimento do meu peito.
*
quero uma bicicleta Poti pra pedalar dentro da palavra afeto.
*
verduras e estrelas me usem como vastidão.