17 de nov de 2015

experimentações na órbita do poema

[ . . . ]

um poema que oxigena o sangue
nascido do trabalho de parto das plantas

sedativo entorpecente alucinógeno
proteína que se nutre a cada dia
cilindro de oxigênio
no meio da massoterapia
e das lâminas da serralheria.

até porque, toda manhã,                                                   
um labrador espreita ao lado da cama,                                                                              
como um drone
focaliza a região da panturrilha                                                      
só aguardando alguém despertar.














[ . . . ]

procuro um poema
que equilibre o fluxo energético do corpo
acupuntura erva medicinal                             
                        acasalamento de libélulas.
poema que a nado borboleta                                                                                     
atravesse a cachoeira
e o cano da escopeta.                        

pois a mandíbula do hipopótamo e do rinoceronte
está sempre escancarada e voltada                                                                                           
para nossas tíbias e vértebras.

que cada palavra do poema
tenha na leveza
o gosto estilhaçado do caco de vidro

e na conturbação
tenha o sabor sossegado do lilas
como um campo magnético
que num abraço
te isola contra a radiação.


Rio
MMXV séc XXI